Por isso que eu desisti do Brasil (4)

PNC

 

“O Brasil não é um país sério”, disse o diplomata Carlos Alves de Souza Filho (não Charles De Gaulle), e o cara sabia o que estava falando. Hoje me deparo com uma das maiores bizarrices que vi em toda a minha vivência na política (e olha que eu já vi algumas coisas beeem bizarras). Um contato do face publicou uma imagem com uma mensagem do PNC – Partido Nacional CORINTHIANO. Sim, você leu certo. C-O-R-I-N-T-H-I-A-N-O.

Minha primeira impressão foi de que era alguma piada ou movimento de corinthianos visando influenciar a política interna do clube, mas pelo conteúdo do texto, vi que tinha algo de “sério” ali (enfatizo as aspas). Fui procurar e vi que o “partido” (aspas de novo) realmente existe, está obedecendo ao rito legal pra registro junto ao TSE. No final do texto ponho os links pra quem quiser ficar estarrecido como eu (ou pra quem quiser se filiar, não duvido mais de nada de ninguém).

Legalmente, tenho a esperança (ou nem tenho mais, sei lá, tanto faz) que quando esse “partido” atingir o número mínimo de apoiamentos o TSE indefira seu registro, uma vez que ele em nada contribui com o processo político e/ou democrático brasileiro, além de afrontar os dispositivos legais que regem a instituição chamada partido político.

A constituição aponta em seu artigo 17 que é “livre a criação, fusão, incorporação e extinção de partidos políticos, resguardados a soberania nacional, o regime democrático, o pluripartidarismo, os direitos fundamentais da pessoa humana(…)”. Esse dispositivo da constituição carecia de regulamentação legal, o que foi feito no ano de 1995, pela lei 9.096 (lei dos partidos políticos), e em seu PRIMEIRO artigo, a lei diz o que vou transcrever ipsi literi

Art. 1º O partido político, pessoa jurídica de direito privado, destina-se a assegurar, no interesse do regime democrático, a autenticidade do sistema representativo e a defender os direitos fundamentais definidos na Constituição Federal.

Esse partido nada mais é que uma torcida organizada que está tentando adentrar em mais uma esfera de poder. Final dos anos 70 as torcidas organizadas de São Paulo ganharam força com sua organização administrativa. Adquiriram personalidade jurídica e passaram a gozar de muita força dentro de seus clubes. Como tudo avança, essa organização levou as principais torcidas organizadas de SP a montarem escolas de samba. A coisa chegou a tal ponto que se discutiu em SP criar um grupo no carnaval somente para as escolas de torcidas organizadas. Nesse momento vemos o passo seguinte, que é a criação de um partido pra chamar de seu.

O deferimento do registro de um “partido” com essa natureza fere de morte a autenticidade do sistema representativo brasileiro uma vez que não nasce com o intuito de promover ou colaborar ou propor qualquer mudança social efetiva, ainda que seu “estatuto” e “manifesto” de forma vaga, pueril e mal redigida digam isso. Esse fato é ainda mais bizarro do que um deputado federal (Eurico Miranda) dizendo que é deputado não pra defender o povo, mas pra defender seu time.

Longe de mim a inocência de achar que hoje exista algum partido que lute por um ideal nobre, existem sim, partidários de ideais nobres, esses merecem todo nosso aplauso e apoio pois são fundamentais pra nos separar do caos e da barbárie, mas no momento em que passamos a achar normal um partido que sequer se dá ao trabalho de fingir ter interesse em fazer política de verdade, chutamos o balde e acabou-se o mundo. Imaginem em 20 anos a bancada corinthiana rompendo com o governo porque esse indicou um ministro da bancada palmeirense para determinada pasta.

As igrejas viraram ótimas fontes de renda e hoje, conta-se nos dedos as pessoas de fé, que realmente trabalham simplesmente pra divulgar sua fé. Nossas torcidas organizadas há tempos deixaram de ser um ponto de congraçamento de torcedores pra virar empresas, quando não quadrilhas.

Certidão cartorária: http://pnc.org.br/pnc/wp-content/uploads/2014/12/REGISTROPDF.pdf

Manifesto pg 1: http://pnc.org.br/pnc/wp-content/uploads/2014/12/manifesto.pdf

Manifesto pg 2: http://pnc.org.br/pnc/wp-content/uploads/2014/12/manifesto-pg-02.pdf

Anúncios

~ por Marcelo Amil em agosto 12, 2015.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: